,

Colunista prega morte de Lula

O colunista Mário Vitor Rodrigues que escreve para a revista Istoé relatou em seu texto que “Lula deve morrer”. Mário agora é alvo dos petistas e comunistas que garantem que pedirão na Justiça a responsabilização do jornalista por crime de incitação ao ódio.

Mário, na verdade, conseguiu ressuscitar Lula. O petista anda apagado na mídia devido aos processos e novas acusações que surgem envolvendo seu nome na Lava Jato. Lula não agrega mais como antes. Nem os militantes petistas são os mesmos engajados do passado.

Se os petistas enxergam discurso de ódio na narrativa de Mário Vítor, existem dois culpados nisso: a classe política e o Judiciário. Um comete crime, o outro não pune de forma exemplar. A crise e a sensação de impunidade colocou o povo brasileiro num estado de nervos tão grande que o próximo sentimento após essa turbulência é o ódio.

O colunista de Istoé pode não ter ódio mortal de Lula mas a população está com ódio mortal da classe política.

Abaixo segue o trecho que causa polêmica nas redes sociais:

Pelo bem do País, Lula deve morrer. Eis uma verdade incontestável. Digo, se Luiz Inácio ainda é encarado por boa parte da sociedade como o prócer a ser seguido, se continua sendo capaz de liderar pesquisas e inspirar militantes Brasil afora, então Lula precisa morrer.

Não entenderam? Eu explico: enquanto o cidadão não passa de um arrivista que levou a vida esgueirando-se dos desafios para pinçar oportunidades, o mito, para alcançar seus objetivos, ainda é capaz de sapatear em cima de qualquer um. Até mesmo na memória da falecida esposa.

E não é só.

Ao indivíduo, criminoso que é, restou apenas escapar da cadeia. O personagem político, entretanto, persiste em sua sanha pelo poder, mesmo após ter comandado o esquema de corrupção mais perverso na história da República.

Trocando em miúdos, o sujeito merece a expiação pública — com o cumprimento de pena pelos crimes que cometeu —, mas ao outrora líder carismático não cabe essa colher de chá: o folclore em torno de Lula precisa acabar, e isso só acontecerá se ele for derrotado nas urnas.

O site JuntospeloBrasil quer saber:

Você concorda com a narrativa do escritor?

2 Comentários

Leave a Reply
  1. Concordo como colunista ,morte deveria
    Se o caminho natural.para um oportunista.que levou o Brasil a pior
    Momento de sua história,com o apoio
    Da midea alugada e sem a oposição
    Política remunerada.eu em particular
    Odeio lula e sua gangue comunista.

  2. Seria muito mais simpático que o colunista sugerisse duas coisas básicas, eficientes e de solução mais fácil e simpática se ele dissesse que as medidas mais eficazes para livrar o país da influência do Lula seria o seguinte: a Justiça deveria, o mais rápido possível, amealhar toda fortuna nas maõs de Lula e sua familia, especialmente seus filhos e em seguida dar passagens de ida para todos eles e não prendê-los. Porque prendendo teriamos o custo enorme de mantê-los presos e depois o Lula iria fundar uma faculdade e outros órgãos de especialização para todos os bandidos e servidores dos presídios para se “douorarem” e se especializarem nos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, etctal. A morte não seria uma boa idéia porque até poderia aumentar o número de adeptos, por causa da tendência de muitos brasileiros, até boas pessoas, de costumarem endeusar seus parentes falecidos achando que todos os falecidos vão direto para o Céu e ainda mais o Lula que já se disse o mais santo dos brasileiros. E aí vão refletir: “não será mesmo que ele é santo? Será que ele não morreu prá gente reverenciar ele?” Mas, um detalhe: Lula e os parentes vão ficar muito satisfeitos de não terem sido presos e receberem as passagens “de graça”, para onde quiserem, porém, deve ser-lhes lembrado que não poderão voltar para o Brasil, nunca mais. Se alguém voltar aí sim enfrentará a prisão solitária com regime de trabalho forçado o resto da sua vida. Convenhamos que é uma solução completa, simpática, econômica, eficiente, duradoura, tranquila, inteligente, não é mesmo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *