,

Criador do “Baleia Azul” disse que tem ordens para “limpar a sociedade”

Existem pessoas e existem resíduos biológicos – aqueles que não representam nenhum valor para a sociedade.

Philipp Budeikin, de 21 anos, criador do polêmico jogo de suicídio “Baleia Azul”, está preso na Rússia. O jovem é acusado de incitar o suicídio de 16 garotas.

Em um dos seus depoimentos à polícia, Philipp afirmou que criou o jogo para “limpar a sociedade”.

“Existem pessoas e existem resíduos biológicos – aqueles que não representam nenhum valor para a sociedade. Que causam ou só vão causar danos à sociedade. Eu estava limpando nossa sociedade dessas pessoas”, afirmou em depoimento.

Ainda de acordo com o Daily Mail, Philipp Budeikin disse que suas vítimas “estavam felizes em morrer”. “Elas estavam felizes. Eu estava dando a elas o que elas não tinham na vida real: calor, compreensão, conexões”, declarou.

Baleia Azul

O jogo “Baleia Azul” fez várias vítimas ao redor do mundo. O game consiste em 50 desafios, entre eles de automutilação, sendo que o último é tirar a própria vida.

No Brasil, a Polícia Civil de Pernambuco apresentou nesta sexta-feira (12) o oitavo relato de jovens do Estado que teriam participado do jogo.

Segundo o delegado Joselito Kherle, o caso é considerado o mais grave porque a vítima provavelmente estava na última fase do desafio virtual e pela intensidade dos cortes feitos por ela no seu corpo. Trata-se de uma moça de 19 anos, de classe média e moradora da zona oeste do Recife.

Ainda de acordo com o portal, a jovem postou uma imagem no Facebook em que mostrava uma mulher apenas de calcinha com cortes nas coxas, na barriga e nos braços. Ao ver a foto, um parente avisou a mãe da jovem, que negou que estivesse jogando o “Baleia Azul”. A mãe procurou a polícia.

“Acreditamos que a vítima se encontrava na fase final do jogo pela mensagem que identificamos dizendo para ela ir para um local mais alto que lá receberia a última prova. Desde que descobriu, a mãe cortou todas as possibilidades de acesso dela a internet. E por isso a moça não tem mais diálogo com a família, cortou qualquer comunicação. Inclusive se recusou a fazer o exame traumatológico”, declarou o delegado.

Fonte: BOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *