,

Esquerda europeia quer entregar igrejas a islâmicos

“A Grande Catedral de Córdoba” é o maior exemplo de como a esquerda europeia está se rendendo à agenda islamista. O local é visitado por 1,5 milhão de turistas a cada ano. A Unesco – braço cultural das Nações Unidas – declarou o templo religioso de 24 mil metros quadrados patrimônio da Humanidade em 1984.

A estrutura, construída no século X, abriga a catedral da diocese católica romana de Córdoba, no sul da Espanha. O local foi originalmente construído para ser uma mesquita. Em 1236, o rei Fernando III retomou a cidade das mãos dos “mouros”, como eram chamados os islâmicos do califado almóado.

Era sabido que o espaço da mesquita fora anteriormente uma igreja, que acabou destruída na invasão muçulmana da Europa, no oitavo século.

Como era costume na época, o rei reconsagrou a Deus e desde então a catedral tem sido uma casa de adoração cristã.

Por causa do amplo debate sobre a construção ou não de novas mesquitas na Europa, um reflexo do crescimento do Islamismo no continente, em especial com a chegada de milhões de refugiados nos últimos anos.

Uma ala de intelectuais, ligados aos movimentos de esquerda alegam que deveria haver uma “restauração das raízes históricas islâmicas” de certas regiões. Iniciou-se um tipo de campanha para que a catedral de Córdoba voltasse a ser a “Grande Mesquita”.

Eles organizaram uma petição pública, que visava tirar o prédio das mãos da Igreja Católica. Conseguindo reunir mais de 350 mil assinaturas, tentaram forçar que o governo “desapropriasse” o local e entregasse para a comunidade islâmica local.

O governo de coalizão liderado pelos socialistas da região espanhola da Andaluzia, que inclui Córdoba, acusou a diocese de “esconder” a história do edifício. A resposta do conselho da cidade é que a diocese não é legalmente proprietária da catedral. “Os verdadeiros proprietários do espaço são todos e cada um dos cidadãos do mundo”, diz o documento.

O temor é que essa pode ser a primeira de muitas decisões semelhantes, em cortes europeias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *