,

Fim do imposto sindical é o ponto crucial

Os deputados estão tão preocupados com a reforma política que estão cedendo na ideia de acabar de uma vez por todas com o imposto sindical que é aquela contribuição obrigatória que retira de todo trabalhador um dia trabalhado para os cofres dos sindicatos.

A contribuição vem sendo questionado faz muito tempo e a sua finalidade perde sentido. Ultimamente o que o trabalhador viu foi a ausência de sindicatos na luta para combater o desemprego e a crise econômica que assola o país.

O atual sistema, que onera empresas em demasia e não beneficia os empregados, é entrave absurdo ao desenvolvimento do país, já que tolhe a capacidade de empreender da iniciativa privada, especialmente os pequenos e médios empresários.

Pela regra atual, firmada na CLT e recepcionada na Constituição, TODOS OS TRABALHADORES são obrigados a contribuir com o respectivo sindicato. Sim, obrigados. Por mais que a Lei Maior fale de forma genérica na liberdade associativa, ela não veda a cobrança compulsória de um “imposto” aos sindicatos.

Desse modo, e uma vez por ano, os empregados devem repassar ao seu sindicato o equivalente a um dia de trabalho. Agora, imaginem isso multiplicado pelo número de pessoas inseridas numa categoria e calculem o tanto que as entidades ganham por pura imposição da lei – lembrando que a Constituição Federal também veda a existência de sindicato “concorrente” numa mesma base territorial, ou seja, trata-se de um verdadeiro monopólio (com receita garantida).

Isso precisa acabar e é justo que o deputado Rogério Marinho (PSDB/RN), relator da Reforma Trabalhista, defenda o fim dessa cobrança.

Haverá muita pressão para que isso não passe, tanto mais considerando a ajuda de vários sindicatos a também vários partidos políticos. De nossa parte, portanto, também precisamos pressionar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *