,

“Foi mais que a obrigação de Dilma bancar a candidatura de seus partidos” diz Marcelo Odebrecht

O pedido inicial era de R$ 57 milhões para os partidos da base, mas posteriormente o valor foi reduzido.

“Foi mais que a obrigação de Dilma bancar a candidatura de seus partidos” diz Marcelo Odebrecht

Em depoimentos no âmbito do acordo de delação premiada, os executivos Marcelo Odebrecht, Fernando Reis e Alexandrino Alencar detalharam a doação via caixa 2 a partidos que integraram a coligação que elegeu a presidente Dilma Rousseff (PT) em 2014.

A pedido do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. “Foi uma obrigação da candidatura Dilma de bancar em certo montante para seus partidos”, disse Marcelo, herdeiro e ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome.

“O Guido veio com pedido adicional da campanha. (…) Até então para a campanha eu já tinha feito a doação oficial, já tinha feito a doação oficial para o PT que deu para ela (campanha da Dilma) e já tinha acertado pagamentos para João Santana. Aí ele (Mantega) veio com pedido adicional”, disse Marcelo aos procuradores.

O ex-ministro da Fazenda sugeriu o pagamento a partidos que iriam compor a base e depois realizou inclusive a cobrança.

“Eu estava indo para a minha casa, passando pela Avenida Morumbi, e eu recebi uma ligação do Guido falando ‘Marcelo, você já fez aqueles…?’. Eu falei: ‘não dá ainda, você acabou de me pedir e não deu’”, disse.

O pedido inicial era de R$ 57 milhões para os partidos da base, mas posteriormente o valor foi reduzido.

Tudo foi feito via caixa dois. Marcelo Odebrecht não conversou com os dirigentes partidários sobre a doação, mas orientou diretores do grupo a fazerem os contatos.

“Mas aí sim a pessoa (diretor) ia e dizia (ao político): ‘a pedido do Edinho (Silva), aquele compromisso que vocês tinham está sendo cumprido através da gente’”, narrou Marcelo.

O pedido e os repasses foram combinados em junho de 2014. Fernando Reis disse que recebeu uma mensagem de Marcelo Odebrecht para que procurasse Alexandrino Alencar, então diretor de relações institucionais da construtora.

“Tinha havido uma reunião entre o então ministro Guido Mantega com o Marcelo, onde o ministro dizia que eles precisavam selar a coligação Com a Força do Povo com determinados partidos.

Eles queriam selar e garantir que fariam parte da coligação, através da compra do tempo de televisão desses partidos”, declarou Fernando Reis.

“Isso significaria que nós teríamos de fazer doações de caixa 2 para esses determinados partidos, por valores estabelecidos na conversa do ministro com o Marcelo, algo entre R$ 4 milhões e R$ 7 milhões para cada um desses partidos”.

Marcelo teria escolhido Fernando para atuar nos repasses ilegais por conta de sua relação com ex-ministro Carlos Lupi, presidente do PDT. “Eu tinha relação com ele, era o ponto de contato da Odebrecht com o PDT”, disse Reis.

 

Via: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *