,

Neymar, o PSG e o submundo do esporte e da política

O que é necessário para consolidar uma grande transferência de dinheiro? A resposta pode estar num grande bilhete de loteria premiado ou em alguém cujo valor é quase inestimável e da margem para cifras estrondosas. O que é necessário para consolidar uma influência política sobre determinada cultura?

O caso Neymar e o PSG revela a estratégia do Catar nos bastidores da transação. O atleta é apenas mais uma engrenagem nesse grande jogo de interesse que envolve o casamento suspeito entre o esporte e a política.

Quem não se lembra sobre as suspeitas que pairam sobre o jogo Brasil e Alemanha pela Copa do Mundo no Brasil? Aquele 7 a 1 vergonhoso jamais seria possível de acontecer em circunstâncias normais.

Bastidores da transferência e da transação comercial

Para aqueles que analisam o esporte dentro das quatro-linhas, os motivos da transferência seriam a predileção tática de Neymar para favorecer a estrela principal do Barcelona, o argentino Lionel Messi. Indo para Paris, o ex-jogador do Santos torna-se a principal estrela da equipe tal qual ele é na seleção brasileira. Com isso, Neymar teria mais possibilidades de ganhar a bola de ouro e se tornar protagonista na seleção de melhor do mundo da FIFA (FIFA Ballon d’Or) ao lado do português Cristiano Ronaldo e do próprio Messi.

O jogo é fora dos gramados

Mas o principal sobre toda essa transação está fora dos gramados. A transferência de Neymar para o PSG revela mais uma vez que esporte e política são indissociáveis. O brasileiro nesse caso é somente mais uma marionete financeira do Catar.

Para quem não sabe, o PSG foi comprado em 2012 pela Qatar Sports Investments (QSI), uma empresa de caráter semiprivado, subsidiada pelo governo do Catar e liderada pelo ex-jogador de tênis do país, Nasser Al-Khelaifi. A aquisição do PSG é parte de uma estratégia do governo do país da região do Golfo Pérsico para exercer estratégias sutis de influência política (do inglês soft-power) no mundo e na sua região.

Para exemplificar outros casos em que o governo catari usou essa estratégia, podemos lembrar que o país foi escolhido para ser sede da Copa do Mundo de Futebol em 2022; levando o megaevento para o Oriente Médio pela primeira vez na história, apesar da chuva de críticas com relação à temperatura e questões de direitos humanos na relação com trabalhadores.

Influência política

E também o próprio Barcelona já foi alvo da política de influência catari em 2010 quando as empresas semi-privadas Qatar Foundation (ramo da educação) e Qatar Airways (ramo da aviação) estamparam pela primeira vez na história do clube catalão suas marcas na camisa blaugrana – o que nos leva a pensar que a contratação de Neymar em 2013 pelo Barça já foi subsidiada pelos árabes.

O fato é que a QSI é um braço do governo árabe para investir no esporte e consolidar relações político-econômicas para o Catar, que desde junho, está diplomaticamente “bloqueado” por outros países da região do Golfo acusado de subsidiar o terrorismo – alegações não confirmadas e que na verdade estão servindo para escancarar que a política de influência do Catar é efetiva e incomoda os líderes dos países vizinhos.

Assim, a ida de Neymar ao PSG é mais uma tacada política do governo catari para se colocar no centro das atenções no mundo e reforçar a ideia de um país pacífico com intenções globais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *