,

No bolso e na cabeça: pedido de prisão e ressarcimento pelos prejuízos em Brasília

Centrais e movimentos serão responsabilizados pela quebradeira

O quebra-quebra promovido em Brasília durante a manifestação convocada pelos movimentos de esquerda e das centrais sindicais envolvidas no protesto pode custar caro.

Brasília amanheceu contabilizando os prejuízos. Cacos de vidros na calçada, paradas de ônibus depredadas, placas de sinalização quebradas, cabines de banheiros químicos utilizados em barricadas e incendiados, prédios públicos depredados e monumentos pichados. Esse era o cenário na Esplanada. Enquanto órgãos do GDF trabalhavam em contabilizar o prejuízo nas ruas, dentro de, pelos menos, seis ministérios, a Polícia Federal periciava e avaliava os prédios. A conta negativa passava de R$ 2 milhões.

AGU vai ajuizar a ação para cobrar o “ressarcimento aos cofres públicos contra os organizadores, ou seja, as centrais sindicais”.

Como?

Os repasses poderão ser bloqueado bem como as contas das entidades junto aos bancos até que todo estrago seja reparado.

Se no estádio de futebol as torcidas e os clubes são penalizados quando existem depredações e atos de vandalismo, não será diferente com os sindicatos e movimentos sociais organizados quando promovem esse tipo de estrago.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *