,

O patrão de Geddel quer saber: “quem mexeu no meu queijo?”

Geddel precisa prestar contas do dinheiro

Geddel Vieira Lima que é amigo e braço direito de Michel Temer quer saber, na Justiça, quem entregou o endereço do “banco” que ele criou em um apartamento na Bahia. O BG, banco do Geddel, tinha um ativo líquido de R$ 51 milhões em caixa, literalmente. Dinheiro suficiente para comprar muitas coisas, inclusive uma eleição para governador ou deputado federal.

Parece brincadeira mas não é. Geddel questiona na Justiça para saber quem delatou o endereço do “banco”. Alguns chamam de “bunker”.

Se for seguir a lógica o subordinado jamais terá mais condições do que o patrão. Na política o patrão de Geddel era Michel Temer. Temer nomeou seu amigo para ser vice-presidente da Caixa Econômica Federal. Lá, Geddel dava ordens e comandava áreas estratégicas.

A preocupação de Geddel Vieira Lima em saber quem mexeu no dinheiro é mais um sinal de que ele precisa justificar com o patrão que a responsabilidade pelo estouro financeiro não é dele.

Geddel sempre foi um bom soldado no exército da corrupção do PT. Sua saída da fileira do #teamLula foi por uma questão estratégica dentro dos arranjos políticos envolvendo os dois partidos, PT e PMDB.

Os advogados de Geddel querem que a Justiça determine à Polícia Federal que revele não só o número de telefone de quem entregou o “banco” como também a identidade do agente policial que atendeu a ligação. Se for descoberto, pode até ser exonerado pelo patrão.

Quem mexeu no queijo de Geddel? O patrão dele quer saber.

Um Comentário

Leave a Reply
  1. Esta é a moral da nossa justiça que o STF jogou na lama, uma total inversão de valores: CRIMINOSO ladrão e CORRUPTO pedindo satisfação ao MINISTÉRIO PUBLICO, como que ser VAGABUNDO fosse licito; essa SUPREMA CORTE é uma entidade que deveria estar lotada em um ATERRO SANITÁRIO porque é lá o local de se DESCARTAR todo este LIXO!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *