,

Putin é outro ladrão: “Estádios na Rússia foram superfaturados”, acusa opositor

A Copa do Mundo virou oportunidade de enriquecimento ilícito

 

A construção do estádio de São Petersburgo, que começou em 2007, passou por vários problemas, e o projeto teve que ser alterado algumas vezes. A capacidade do estádio é de 68 mil pessoas e o valor de custo ultrapassou os € 670 milhões (cerca R$ 2,34 bilhões). O superfaturado Maracanã custou bem menos em sua reforma — R$ 1,26 bilhão.

Desvio de R$ 2 bilhões

Em agosto de 2016, a empresa responsável pelos trabalhos abandonou a obra e foi substituída por outra, que prometeu entregar o estádio antes do fim do ano. Foi o último dos episódios de uma extensa saga de valores desproporcionais, prazos não cumpridos e escândalos de corrupção que rodeiam a organização da Copa de 2018.

— Deveríamos receber um estádio de conto do fadas, o melhor do mundo, em um Estado ideal — afirmou Alexeï Navalny, líder da oposição e conhecido crítico do presidente Vladimir Putin, em vídeo que relata sua investigação sobre a construção do estádio.

“Roubaram o dinheiro”, denuncia o vídeo publicado na internet, aproximando o montante desviado pelos responsáveis russos da casa dos € 500 milhões — cerca de R$ 2 bilhões.

Em 2016, Marat Oganessian, o antigo vice-governador de São Petersburgo, encarregado de fornecer o placar do estádio, foi detido com suspeitas de desviar mais de € 800 mil (R$ 3,2 milhões).

Mais roubalheira

Para a Rússia, a Copa das Confederações é uma espécie de ensaio geral para a Copa do Mundo. Servirá para avaliar as infraestruturas esportivas para a competição do ano que vem. No entanto, os desafios continuam sendo muitos, entre eles o estado lamentável dos granados de vários estádios, a começar por São Petersburgo, onde uma parte do campo está sem grama.

Ao jornal “RBK”, o engenheiro-chefe da Zenit Arena, Konstantin Kremlinski, responsabilizou a Bamard, empresa encarregada do campo, de preparar mal o gramado. A relva tinha fungos e mofo. Por outro lado, um representante da Bamard lembrou que a Fifa aprovou o gramado quando o trabalho terminou, e que os problemas chegaram mais tarde, com a primavera. De fato, a estação foi particularmente fria e longa este ano na Rússia.

(com informações de O Globo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *