,

Senado aprova perdão para ladrão

O Projeto de Lei 513/13 foi aprovado na surdina pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal que quer garantir o perdão, sem a necessidade de prisão, para quem é ladrão. A medida vai abrir um enorme caminho para liberação de todos os envolvidos no esquema de corrupção identificado pela força-tarefa da Lava Jato.

A iniciativa partiu de Renan Calheiros (PMDB) mas foi aprimorada pelo senador Jader Barbalho (PMDB).

Funciona assim: quem meter a mão naquilo que não lhe pertence e depois for descoberto, basta devolver o que roubou e será perdoado automaticamente. Tudo de forma legal.

O projeto beneficia ladrões envolvidos em crimes sem violência contra a pessoa o que incluirá, propositalmente, a classe política e aquelas pessoas consideradas de “fino trato”. Tipo os irmãos Batista.

Entendeu? Os senadores aprovaram isso na surdina enquanto o país discutia se Aécio ficaria descansando ou recebendo trabalhando.

Eunício Oliveira, presidente do Senado, avisou aos colegas que levará o PL 513 ao Plenário mediante pedido por escrito das lideranças. Tem gente animadíssima pra votar logo!

3 Comentários

Leave a Reply
  1. sem punição não há democracia que se segure , tem a punição por expiação e a punição por reciprocidade, numa democracia tal como devemos buscar , se aplica a punição por reciprocidade, os srs. barbalho e calheiros querem legalizar a impunidade , nao sei se é pra rir ou chorar, mas om certeza para paralizar

  2. Os TRÊS PODERES da REPÚBLICA, PERDERAM sua LEGITIMIDADE ao se aprofundarem na prática METÓDICA de ILÍCITOS. O POVO pede aos GENERAIS, que EXIJAM a EXONERAÇÃO do Exmo Sr Gen VILLAS BOAS, por motivo de saúde, haja vista, a afecção orgânica degenerativa que o afeta, INIBIR sua denodada vontade de tomar decisões mais ENÉRGICAS. É imperioso que um GENERAL, tal como, o ilustre Gen MOURÃO, ASSUMA o COMANDO da NAÇÃO BRASILEIRA. São mais de 150 milhões de brasileiros que depositam suas esperanças numa ATITUDE das FORÇAS ARMADAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *