,

Senado vai regular grupos de WhatsApp, Facebook e Telegram. O Brasil dorme!

O Brasil caminha para rumo ao abismo do bolivarianismo

Não é nenhuma piada tampouco postagem de site de humor. O caso é sério e entrou em discussão nesta semana no Senado Federal. Os senadores não estão preocupados com a denúncia contra Aécio Neves, Romero Jucá e outros pares da Casa. Eles querem é acabar com a rede social.

No Senado avança a proposta da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) que pede a regulação (CENSURA E CONTROLE) de grupos no Facebook, WhatsApp e Telegram. A ideia é cadastrar, identificar, processar e prender qualquer pessoa que compartilhar ou fazer parte de grupos em redes sociais. É intimidação de fato.

De acordo com o PLS 347/2016, da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), os usuários com contas no FacebookWhatsapp ou Telegram, por exemplo, teriam de ser consultados antes de serem incluídos em cadastros e grupos, ou receberem convites para participar de eventos em redes sociais. O PLS 347/2016 modifica o Marco Civil da Internet para também determinar que essa anuência prévia deverá ser “livre, específica, inequívoca e informada” .

O caso é tão grave que merece ser motivo de intervenção no Senado Federal. O Brasil está caminhando para o bolivarianismo.

O Facebook, WhatsApp e Telegram são empresa que vivem de dinheiro, da presença de usuários, acessos e publicidade. O Senado quer destruir a ação dessas empresas no contexto democrático.

A classe política brasileira está corrompida em alto grau. A internet quebrou a cadeia de promessas mentirosas e não cumpridas o que comprometeu fortemente a vida pública dos corruptos.

Um Comentário

Leave a Reply
  1. Este sim é um projeto de governo, que os DITADORES querem impor no BRASIL, eles não respeitam a CONSTITUIÇÃO, e querem silenciar as opiniões do povo, e se perpetuarem no poder……esta senadora é um CÂNCER, na politica e na vida da GRANDE MAIORIA dos cidadãos de bem desta NAÇÃO…..BOLSONARO é a solução para que estes LIXOS IMUNDOS não mais tomem as rédeas do BRASIL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *