,

Sexta-feira: para você refletir sobre a nossa democracia

Sexta-feira, dia em que uma boa parcela do funcionalismo público sequer dá o ar da graça no trabalho, todo mundo planejando o finde, uns comprando carne, outros cerveja, alguns carregando o carro pra uma bela viagem.

Aí vem uma ordem à lá João Kleber: para, para, para, para! Coloca o equipamento e prepara pra passar um tempo na Rocinha!

Já pensou se a gente fosse depender de funcionário civil pra isso? Ou de Magistrado, Procurador, etc? Como assim? Mas eu já tinha planejado meu final de semana!

E as minhas diárias?

E o intervalo interjornada?

E os meus direitos?

Que absurdo! Não vou!

Essa ética do dever antes do direito era, vejam só, a ética de nossa sociedade em geral, antes da Constituição de 1988 invertê-la inapelavelmente. E antes da esquerda dominar completamente a narrativa educacional e cultural, produzindo gerações e gerações de rebeldes sem causa.

Então, antes de pensar em falar qualquer coisa sobre as Forças Armadas, pense em como você reagiria caso fosse chamado a cumprir uma missão na Rocinha. Numa sexta-feira, de susto, no meio do tiroteio, sem ganhar um centavo a mais e sem saber quando acaba. Uma cota de sacrifício que muito pouca gente está disposta a pagar.

E se você não é uma delas, por favor, tenha pelo menos a decência de não falar em “privilégios” quando tratar de qualquer peculiaridade jurídica ou previdenciária relacionada aos militares.”

(Texto de Alexandre Paz Garcia.)

Um Comentário

Leave a Reply
  1. acho que pela brilhante exposição do texto é do contexto , não há como negar que se dependermos dos que estão a governar o nosso país nada aconteceria e só aconteceu porquê embora o ministro da segurança tenha na sua conduta de traidor divulgando antecipadamente o trabalho a ser feito mas o horário em que começar não levou em conta a competência de quem iria realizar o trabalho mesmo com a sua falsa ingenuidade divulgando o que seria feito ainda assim estamos tendo um resultado razoável mas se ao invés de traidor incompetente tivéssemos um altamente qualificado para a função o sucesso seria tremendo , mas infelizmente isso é Brasil ministro da justiça que não é capacitado em segurança pública é brincadeira , mas que tal se as forças armadas já ampliassem o seu trabalho desse já um geral no governo do estado do Rio de Janeiro e com o devido respeito acabassem prendendo os grande líderes do crime organizado do Brasil que trabalham em Brasília disfarçados de Presidente , Ministros , Senadores e Deputados Federais uma limpeza geral , porque se continuar como estão as coisas vão ficar do mesmo jeito em que estão prendendo os integrantes do crime organizado de escalão baixo e deixando o alto escalão intocáveis aí é fria vai continuar a festa , Sr. Militares pense com carinho limpeza geral ! pode ter certeza que os cidadãos e cidadãs de bem brasileiros vão ficar muito gratos !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *