,

TERROR – Menina de 11 anos dá a luz após ser estuprada pelo padrasto

A gravidez da menina, que completou 11 anos em maio, gerou um grande debate dentro e fora do Paraguai

A gravidez da menina, que completou 11 anos em maio, gerou um grande debate dentro e fora do Paraguai.

As leis só permitem o aborto em caso de perigo de morte para a mãe e quando há recomendação médica – e não em casos de estupro.

No ano passado 680 menores de 15 anos deram à luz no país, de acordo com o Ministério da Saúde Pública.

O parto foi feito por meio de uma cesárea programada na sede da Cruz Vermelha em Assunção, disse o diretor da instituição, Mario Villalba, de acordo com o jornal La Nación. Tanto a menina quanto o bebê, de 3,5 quilos, passam bem.

A expectativa é que voltem para casa em três dias, disse advogada da mãe da criança, Elizabeth Torales, à agência de notícias EFE. 

A menina mede 1,39m e, antes da gravidez, pesava 34 quilos. A identidade da família não foi revelada para manter a privacidade dela.

Torales anunciou que fará um pedido para que a criança e a recém-nascida fiquem sob custódia da avó do bebê.

Ela chegou a ser presa e responde a processo sob acusação de faltar com os devidos cuidados com a filha.

A avó havia pedido que um aborto fosse feito para “salvar a vida” da filha, mas as autoridades negaram. 

Para pressioná-las, a Anistia Internacional lançou a campanha #NiñaEnPeligro (Menina em Perigo).

No entender da Anistia, obrigar a menina a ser mãe “constitui tortura e outros maus tratos, de acordo com a Convenção contra a Tortura das Nações Unidas”.

Debate sobre aborto O caso vem gerando debate sobre as leis paraguaias em relação ao aborto.

No Brasil, o aborto é permitido em casos de estupro, risco de morte para a mãe ou quando o feto for anencefálico. Porém, quase metade dos brasileiros são contra o aborto mesmo nesses casos.

 

Via: O Polêmico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *